Archive for Setembro, 2008

h1

Mulher

Setembro 30, 2008

quando o ventre é o mar

quando o ventre é a água

salgada

numa boca

quando o ventre é a fonte

quando o ventre é a forca

Yvette K. Centeno

Imagem: Anna Mazurek Sierocka

h1

O Escuro

Setembro 29, 2008

(…) – Dentro de cada um há o seu escuro. e nesse escuro só mora quem lá inventamos. Agora me entende?

– Não estou claro, Dona Gata.

– Não é você que mete medo. Somos nós que enchemos o escuro com nossos medos.

Mia Couto, O gato e o escuro

Imagem: Danuta Wojciechowska

h1

Inscrição estival

Setembro 28, 2008

Ó grande plenitude!

E a tudo

a tudo alheio,

saboreio.

Absorto

sorvo

este cacho de uvas

tão maduras…

Este cacho de uvas que é o teu corpo.

David Mourão-Ferreira

Imagem: António Carmo

h1

So do I

Setembro 27, 2008

“You say you need somebody in your life

So do I, so do I

You say you wake up crying every night

So do I, so do I…”

Paulo Gonzo, So do I

h1

Gozo IV

Setembro 26, 2008

Que tenhas de mim

o contorno incerto

acertado nas linhas do

teu corpo

os dentes nos lóbulos e no pescoço

os lábios

a língua a cobrirem os ombros

Maria Teresa Horta

Arte de Anatol Knotek

h1

Viagem

Setembro 25, 2008

Um barco atravessou os teus olhos,

levando um porão de sonhos para o porto

do infinito.

Nuno Júdice

Imagem:Jacqui Faye Michel

h1

Caminho encontrado

Setembro 24, 2008

Razão e loucura

Abismo de mãos

E gestos em fúria

Palavras

Silêncios

E corpos suspensos

Nas bocas a febre

Nos olhos delírio

Regresso de noite

Caminho encontrado.

Manuela Amaral

Imagem: Lalit Maity

h1

Poema

Setembro 23, 2008

Em todas as ruas te encontro

em todas as ruas te perco

conheço tão bem o teu corpo

sonhei tanto a tua figura

que é de olhos fechados que eu ando –

a delimitar a tua altura

e bebo a água e sorvo o ar

que te atravessou a cintura

tanto tão perto tão real

que o meu corpo se transfigura

e toca o seu próprio elemento

numcorpo que já não é seu

num rio que desapareceu

onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro

em todas as ruas te perco

Mário Cesariny

Arte de  Lena Sotskova


h1

Os teus olhos

Setembro 22, 2008

Os teus olhos

exigindo

ser bebidos

Os teus ombros

reclamando

nenhum manto

Os teus seios

pressupondo

tantos pomos

O teu ventre

recolhendo

o relâmpago

David Mourão-Ferreira

Arte por Mary Jane Ansell

h1

Segredo

Setembro 21, 2008

Não contes do meu vestido

que tiro pela cabeça

Nem que corro os cortinados

para uma sombra mais espessa

*

Deixa que feche o anel

em redor do teu pescoço

com as minhas longas pernas

e a sombra do meu poço

*

Não contes do meu novelo

nem da roca de fiar

Nem o que faço com eles

a fim de te ouvir gritar

Maria Teresa Horta, in MINHA SENHORA DE MIM (Publ. D. Quixote, 1971),

in VARIAÇÕES SOBRE UM CORPO (Ed. Inova, 2ª ed, 1973), in POESIA REUNIDA (Publ. D. Quixote, 2009)

Arte  por Elena Ilku