Archive for Fevereiro, 2009

h1

FIM

Fevereiro 15, 2009

“Bonitas palavras não engordam gatos”

por isso encerro hoje este blog.

Imagem: Ellen Duggan

h1

Despedida

Fevereiro 15, 2009

Alguns amores mesmo sendo intensos,

São carregados de fragilidade.

Como se o Adeus viesse abanar lenços

Mostrando enfim que tudo é efemeridade.

*

E os sentimentos, claros, fortes, densos

Duvidam que aquilo seja verdade

Enquanto os amantes ficam ali propensos

A discutir o que é ilusão, o que é realidade.

*

Mas que bom que nada disso fosse assim.

E que cada dia fosse sempre um recomeço

E que jamais houvesse a palavra fim.

*

E os dois se lembrassem que é fugaz a vida

Pois amor nenhum sabe ao certo o preço.

O preço que se cobra uma despedida.

Jenário de Fátima

Arte por Berit Hildre

h1

Pergunta

Fevereiro 9, 2009

Porque é que sempre que te abordo

de prazer líquido transbordo?

serra_da_lua

Imagem: Ahzhana Abdalieva

h1

Crush

Fevereiro 7, 2009

“…Do you ever think, when you’re all alone

All that we could be, Where this thing could go

Am I crazy or falling in love

Is it really just another crush

Do you catch a breath, when I look at you

Are you holding back, like the way I do

Cause I’m tryin, try to walk away

But I know this crush ain’t goin away, goin away.”

David Archuleta, Crush

h1

Entraste…

Fevereiro 6, 2009

Entraste na casa do meu corpo,

desarrumaste as salas todas

e já não sei quem sou, onde estou.

O amor sabe.

O amor é um pássaro cego

que nunca se perde no seu voo.

Casimiro de Brito

Imagem: Ghislaine Segal

h1

Longe

Fevereiro 5, 2009

Há uma gramática aberta

no teu corpo, e soletro cada palavra

que o teu olhar me oferece.

Limpo as sílabas que te

escorrem pelo rosto com um lenço de

vidro, descobrindo a tua transparência.

E sais de dentro de um pó de

advérbios, para que eu te dê um nome,

e a vida volte a correr por ti.

Nuno Júdice

Imagem: Mary O

h1

Poema, beijo, estrela, afago…

Fevereiro 3, 2009

Outra coisa que o corpo há quem conheça.

Eu não. Somente nele me cumpro viva.

Poema, beijo, estrela, afago, intriga

Só no corpo me são pés e cabeça.

E coração também que às vezes teça

Razão de me saber mais que medida

Nessa trágica trama tão antiga

A que chamam ficar de amor possessa.

E é de novo poema, beijo, afago.

É de novo corpo que te trago

A exótica festa da nudez.

E tudo quanto sinto e quanto penso

Toma corpo no corpo a que pertenço.

E aqui estou: de barro, como vês.

Rosa Lobato de Faria

Imagem: Djillali

h1

Tarde

Fevereiro 2, 2009

O que eu queria dizer-te nesta tarde

Nada tem de comum com as gaivotas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: Elena Ilku

h1

Poema de amor de António e Cleopatra

Fevereiro 1, 2009

Pelas tuas mãos medi o mundo

E na balança pura dos teus ombros

Pesei o ouro do Sol e a palidez da Lua.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: John William Waterhouse