h1

Denúncia

Março 4, 2009

Sonharei, no teu seio calmo,

O sonho invisível do cego de nascença.

Dormirei, no teu cerrar de pálpebras,

Como um peixe desliza entre os ramos de árvore

Reflectidos na água.

Dormirei, nas tuas mãos pousadas no meu corpo,

O desejo de te acariciar sem perigo

– não vá tirar-te escamas, borboleta presa.

Dormirei, no teu sexo, a solidão do meu

Ao existir para que eu pense em ti.

Dormirei, na tua vida, a teimosia humana

De um sentido universal para as coisas connosco.

E se, depois, meu amor, formos estéreis,

Se a demora do tempo tiver tido um gesto abandonado,

E a morte, à nossa volta, um moleiro sem trigo,

O mundo que vier inveja-nos

E o nosso espírito há-de perdoar-nos.

Jorge de Sena

Imagem: Elin Bogomolnik

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: