Archive for Abril, 2009

h1

A brisa do coração

Abril 28, 2009

[…] O segredo a descobrir está fechado em nós

O tesouro brilha aqui embala o coração mas

Está escondido nas palavras e nas mãos ardentes

Na doçura de chorar nas carícias quentes […]

Cantado por Dulce Pontes


Anúncios
h1

O corpo não espera

Abril 25, 2009

O corpo não espera. Não. Por  nós

ou pelo amor. Este pousar de mãos,

tão reticente e que interroga a sós

a tépida secura acetinada,

a que palpita por adivinhada

em solitários movimentos vãos;

este pousar em que não estamos nós,

mas uma sede, uma memória, tudo

o que sabemos de tocar desnudo

o corpo que não espera; este pousar

que não conhece, nada vê, nem nada

ousa temer no seu temor agudo.

Tem tanta pressa o corpo! E já passou,

quando um de nós ou quando o amor chegou.

Jorge de Sena

Imagem: Tina Jones

h1

Eros e Psique

Abril 25, 2009

Conta a lenda que dormia
Uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa Adormecida,
Se espera, dormindo espera,
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado,
Ele dela é ignorado,
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino —
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora,

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.

Fernando Pessoa

Imagem: Jacques-Louis David

h1

She

Abril 25, 2009

“…She may be the love that cannot hope to last,

May come to me from shadows of the past,

That I remember till the day I die…”

She, Charles Aznavour

h1

Palavras interditas

Abril 23, 2009

Não ouças o que eu digo, não dês voz

às palavras que à noite te murmuro.

São setas de arremesso contra o muro

de silêncio que erguemos entre nós.

*

O que tenho a dizer-te está além

de tudo o que te digo e o que sinto.

Por muito que te minta (e eu não minto)

são coisas que não digo a mais ninguém.

*

Porque sobre as palavras que te digo

voa o pássaro azul dos sentimentos

que não sei transmitir, mas trago dentro

*

de mim quando me encontro a sós contigo

e ignoro as palavras interditas

que diriam o amor com que me fitas.

Torquato da Luz

Imagem: Jackie Ludtke

h1

Vimos chegar as andorinhas

Abril 22, 2009

Vimos chegar as andorinhas

conjugarem-se as estrelas

impacientarem-se os ventos

Agora

esperemos o verão

do teu nascimento tranquilos, preguiçosos

Tão inseparáveis as nossas fomes

Tão emaranhadas as nossas veias

Tão indestrutíveis os nossos sonhos

Espera-te um nome

breve como um beijo

e o reino ilimitado

dos meus braços

Virás

como a luz maior

no solstício de junho.

Rosa Lobato de Faria

Imagem: Beth Budesheim

h1

When you say nothing at all

Abril 18, 2009

“I’m just a girl, standing in front of a boy, asking him to love her.”

Nothing Hill (1999)