Archive for Setembro, 2009

h1

Figura

Setembro 20, 2009

A tua figura desperta a minha energia subtil

e ascende à primeira forma sublime e simples.

Primavera do mundo e aromático barco

e na palma da mão a delicada inicial.

Neste instante as luzes são passagens transparentes

e eu coloco o teu ventre novamente na paisagem.

Venho de ti e vou para ti antes do primeiro jacto

num côncavo seio na cúpula do segredo,

que é tão fechado como a não respiração

e que se abre no rosto dos meus membros.

António Ramos Rosa

Imagem: Madison Moore

h1

O amor é

Setembro 16, 2009

O amor é
um nome de mulher
na boca de um homem.

O amor é
uma flor perfeita
na lapela de um homem só.

O amor é
um continente sem fronteiras
para que tudo aconteça.

O amor é
a alegria do corpo
sem vergonha de amar.

O amor é
dividir somente
o que se pode partilhar.

O amor é
uma cidade azul
no dorso de uma nuvem.

O amor é
um rapaz loucamente
apaixonado por uma rapariga.

O amor é
tão fácil e tão simples
que até se torna difícil.

O amor é
tudo aquilo que um dia
ganhamos coragem para ser.

O amor é
gostarmos de nós
e sabermos porquê.

José Jorge Letria

Imagem: Ismael Nery

h1

A sofreguidão de um instante

Setembro 13, 2009

Tudo renegarei menos o afecto,

e trago um ceptro e uma coroa,

o primeiro de ferro, a segunda de urze,

para ser o rei efémero

desse amor único e breve

que se dilui em partidas

e se fragmenta em perguntas

iguais às das amantes

que a claridade atordoa e converte.

Deixa-me reinar em ti

o tempo apenas de um relâmpago

a incendiar a erva seca dos cumes.

E se tiver que montar guarda,

que seja em redor do teu sono,

num êxtase de lábios sobre a relva,

num delírio de beijos sobre o ventre,

num assombro de dedos sob a roupa.

Eu estava morto e não sabia, sabes,

que há um tempo dentro deste tempo

para renascermos com os corais

e sermos eternos na sofreguidão de um instante.

José Jorge Letria

Imagem: Ismael Nery

h1

Confidência

Setembro 7, 2009
Diz o meu nome
pronuncia-o
como se as sílabas te queimassem os lábios
sopra-o com suavidade
para que o escuro apeteça
para que se desatem os teus cabelos
para que aconteça
Porque eu cresço para ti
sou eu dentro de ti
que bebe a última gota
e te conduzo a um lugar
sem tempo nem contorno

Porque apenas para os teus olhos
sou gesto e cor
e dentro de ti
me recolho ferido
exausto dos combates
em que a mim próprio me venci

Porque a minha mão infatigável
procura o interior e o avesso
da aparência
porque o tempo em que vivo
morre de ser ontem
e é urgente inventar
outra maneira de navegar
outro rumo outro pulsar
para dar esperança aos portos
que aguardam pensativos

No húmido centro da noite
diz o meu nome
como se eu te fosse estranho
como se fosse intruso
para que eu mesmo me desconheça
e me sobressalte
quando suavemente
pronunciares o meu nome

Mia Couto
Imagem: Kahlil Gibran
h1

A bigger plan

Setembro 4, 2009

“These rumours say you’re different

These rumours say you need a change

And I’ve been told your misery

Is part of what you mean to me

I know you need to make amends

That someone said I was to blame

And that I had to try my best

And that you had some bigger plans

But I, I know that something’s wrong

And I, can be the chosen one…”

Lulla Bye, A bigger plan

h1

O sorriso

Setembro 2, 2009

Falta-me ainda construir o poema

que sem rodeios cantará

a festa de estar contigo.

Entretanto, exploro um tema,

sedento de palavras que não há

para dizer o que digo:

o infindável tema do sorriso

que te marca o olhar.

E de nada mais preciso

para continuar.

Torquato da Luz

Imagem: Anne-Marie Zylberman


h1

Palavras

Setembro 1, 2009

Palavras que se dizem ao ouvido

quando nos queima a febre do desejo

e só ganham sentido

se sairem dos lábios como um beijo.

Palavras murmuradas no calor

da mútua entrega

a deixar claro que o amor

nunca sossega.

Palavras revestidas de veludo

para afagar a vida

e que no meio da corrida

são elas próprias quase tudo.

Torquato da Luz

Imagem: Evelyn Williams