Archive for Março, 2010

h1

Tanto silêncio

Março 7, 2010

Para cá de mim e para lá de mim, antes e depois.

E entre mim eu, isto é, palavras,

formas indecisas

procurando um eixo que

lhes dê peso, um sentido capaz de conter

a sua inocência

uma voz (uma palavra) a que se prender

antes de se despedaçarem

contra tanto silêncio.

São elas, as tuas palavras, quem diz «eu»;

se tiveres ouvidos suficientemente privados

podes escutar o seu coração

pulsando sob a palavra da tua existência,

entre o para cá de ti e o para lá de ti.

Tu és aquilo que as tuas palavras ouvem,

ouves o teu coração (as tuas palavras «o teu coração»)?

Manuel António Pina

Imagem: Leslie Marcus

Anúncios
h1

Fim e recomeço

Março 5, 2010

Não pode ser luar esta brancura

Nem aves batem asas sobre o leito

Neste quebrar de corpos fatigados

Será em mim o sangue que murmura

Em ti serão as luas do teu peito

Nos jogos do amor recomeçados

José Saramago

Imagem: Leslie Marcus

h1

Feminina

Março 1, 2010

Eu queria ser mulher pra me poder estender
Ao lado dos meus amigos, nas banquettes dos cafés.
Eu queria ser mulher para poder estender
Pó de arroz pelo meu rosto, diante de todos, nos cafés.

Eu queria ser mulher pra não ter que pensar na vida
E conhecer muitos velhos a quem pedisse dinheiro –
Eu queria ser mulher para passar o dia inteiro
A falar de modas e a fazer «potins» – muito entretida.

Eu queria ser mulher para mexer nos meus seios
E aguçá-los ao espelho, antes de me deitar –
Eu queria ser mulher pra que me fossem bem estes enleios,
Que num homem, francamente, não se podem desculpar.

Eu queria ser mulher para ter muitos amantes
E enganá-los a todos – mesmo ao predilecto –
Como eu gostava de enganar o meu amante loiro, o mais esbelto,
Com um rapaz gordo e feio, de modos extravagantes…

Eu queria ser mulher para excitar quem me olhasse,
Eu queria ser mulher pra me poder recusar…

Mário de Sá-Carneiro

Arte por Anna Saenko