Archive for 29 de Julho, 2013

h1

Fogo e água

Julho 29, 2013

Cansa-me ser quem serei
porque em tudo esse outro
se parece com o que sou.

Cansa-me o adeus de quem nasce.
E a viagem, à nascença, morre de fadiga.

Só a tua lava me lava.
Resto eu em ti
terra ardendo,
chão de água e fogo.

Abraça-me.
Abrasa-me.

Mia Couto,

“Quatro poemas inéditos”, in Jornal de Letras Artes e Ideias, n. 1114

Imagem: Alfonso Cuñado

Anúncios
h1

Amêndoa amarga

Julho 29, 2013

Este travo inteiro a amêndoa amarga

A ameixa a doce a ferver no tacho

Esse travo na língua a fermentar no corpo

A febre a nascer a crescer debaixo

Em baixo… a saia a subir nas coxas e esse cheiro mais grosso se entreabro

Asa pernas os lábios e o gosto onde o sabor da amêndoa se torna mais amargo

É esse o momento o instante exacto em que tudo se prende ao gesto sem sentido

A calda no ponto deixa a língua em brasa

E eu tiro pela cabeça o meu vestido

Maria Teresa Horta, in DESTINO (Quetzal, 1998), in AS PALAVRAS DO CORPO (D. Quixote, 2012)

Imagem: Autor desconhecido