Archive for Agosto, 2013

h1

À flor da pele

Agosto 28, 2013

à flor da pele, te sinto e vejo

poros dilatados… desejos

mãos, corpos, olhares…

lábios secos… colados…abertos

respirando juntos… arfando…

caído em teus braços… amando…

… na flor da tua pele

Jorge Martins (a publicar)

Imagem: Elaine Murphy

Anúncios
h1

Nada mais [com Vera Sousa Silva]

Agosto 27, 2013

Busco a paz nos teus olhos
e repouso no teu beijo
carente de ternura.
Num abraço há um poema
perfeito
respirado nos corpos.
Vivemos poesia
e nada mais sobra
para além do amor.

Quero a serenidade dos lábios
onde me vejo deitado
vazio de ânsias.
Num beijo há um verbo
intemporal
conjugando vontades.
Somos poesia
e nada mais existe
para além de nós.

Emanuel Lomelino,

in LICENÇA POÉTICA (Duetos Lomelinos) [Lua de Marfim, 2011]

Imagem: Xi Pan

h1

O teu nome

Agosto 27, 2013

Flor de acaso ou ave deslumbrante,
Palavra tremendo nas redes da poesia,
O teu nome, como o destino, chega,
O teu nome, meu amor, o teu nome nascendo
De todas as cores do dia!

 Alexandre O’Neill ,

in TEMPO DE FANTASMAS (1951), in POESIAS COMPLETAS 1951/1986 (INCM, 3ª ed. , 1995)

Imagem: Richard Burlet’s Art

h1

Anseio-te…

Agosto 26, 2013

Anseio-te pelas palavras roucas e cortadas, pois deixei
por ti as moradas sem vida e sem sonho. Abro-me
como o linho dos lençóis. Amarrotas-me como as
pétalas de uma flor rebelde

Lília Tavares, in PARTO COM OS VENTOS, (Kreamus, 2013)

Imagem: Alain Dumas (França)

h1

Disse-te um dia

Agosto 26, 2013

Disse-te um dia
que havia de dar-te uma estrela
tão real como os sonhos
do rio Guadalquivir
e o perfume adolescente
do teu corpo
a ondular na aurora de Sevilha
Não foste comigo a Barcelona
ver as pesadas corolas e os mosaicos
de La Pedrera
mas espera-me no aeroporto
de nunca antes
o rumor febril dos teu olhos
onde aprendi
que o tempo não existe
Mas a vida pode ser
também mágoa escura
bem sabes Por isso te prendo
as mãos sobre as ancas
para não fugirmos mais um do outro
e bebo todo o sol e afinal o tempo
nos teus lábios

Urbano Tavares Rodrigues, in HORAS DE VIDRO (Pub. Dom Quixote, 2011)

Imagem: Suzanne Frie

h1

Baptismo

Agosto 25, 2013

Para atrasar a morte vamos abrir a noite

com música de jazz

Percorrê-la depois

num barco de borracha

Celebrar o segredo

Enforcar a memória

Descobrir de repente

uma ilha que nasce dentro do teu vestido

Chamar-lhe Madrugada

Adormecer contigo

David Mourão-Ferreira

Imagem: Elena Ilku

h1

Uma carta ao cair da tarde

Agosto 25, 2013

Meu amor,
O oceano não precisa das tuas lágrimas para ficar mais salgado.
Nem os céus nem as estrelas ficarão mais luminosos
do que o brilho dos teus olhos.
mas a minha vida ficará mais deserta
sem o aconchego dos teus abraços
e o suspiro melancólico da tua voz em meus ouvidos.
Portanto, não se esqueça de que
o oceano sempre toca o céu no infinito das paixões,
assim como eu infinitamente enlaço o corpo da tua alma
despudoradamente através do erotismo que brota ávido
no corpo das minhas palavras.

Carlos Eduardo Leal,

in A SEDE DA MULHER (E DE UM HOMEM), (editado no Brasil, s/ data)

Imagem: Michal Lukasiewicz (Polónia)