Archive for Abril, 2014

h1

Quarto III

Abril 29, 2014

as mãos pousadas sobre o peito.
só o silêncio se ouve.
no véu da noite,
o silêncio dos amantes de olhar suspenso
cresce pelos seus corpos
como trepadeiras nas paredes
das casas em ruínas.
o desejo acontece e os olhos,
brilhantes e cúmplices,
aguardam que as mãos escondidas se toquem,
que explorem o corpo,
como pequenos pássaros inquietos.

de mãos pousadas sobre o peito,
só a solidão se sente,
quando no véu da noite
os amantes se entregam num só corpo.

Paulo Eduardo Campos, in A Casa dos Archotes (Lua de Marfim, 2011)

Arte por Carrie Vielle

 

h1

Frutos

Abril 28, 2014

Quando a amada oferece
o seu corpo, ela sabe
que dos frutos apenas
se colhe o sabor.
É então
que os dedos
separam as películas,
que a lâmina desce e a água
e o fogo se misturam.
E é então que a vida
e a morte convivem
sob o mesmo tecto.

Albano Martins, in Escrito a vermelho

Arte por Max Gasparini 

h1

Último soneto

Abril 21, 2014

Que rosas fugitivas foste ali:
Requeriam-te os tapetes – e vieste…
– Se me dói hoje o bem que me fizeste,
É justo, porque muito te devi.

Em que seda de afagos me envolvi
Quando entraste, nas tardes que apareceste –
Como fui de percal quando me deste
Tua boca a beijar, que remordi…

Pensei que fosse o meu o teu cansaço –
Que seria entre nós um longo abraço
O tédio que, tão esbelta, te curvava…

E fugiste… Que importa ? Se deixaste
A lembrança violeta que animaste,
Onde a minha saudade a Cor se trava?…

Mário de Sá-Carneiro,  in Poesias (Verbo, 2005)

Arte por Irina-Kotova

h1

Lê , são estes os nomes das coisas que deixaste

Abril 20, 2014

Lê , são estes os nomes das coisas que
deixaste – eu, livros, o teu perfume
espalhado pelo quarto; sonhos pela
metade e dor em dobro, beijos por
todo o corpo como cortes profundos
que nunca vão sarar; e livros, saudade,
a chave de uma casa que nunca foi a
nossa, um roupão de flanela azul que
tenho vestido enquanto faço esta lista:

livros, risos que não consigo arrumar,
e raiva – um vaso de orquídeas que
amavas tanto sem eu saber porquê e
que talvez por isso não voltei a regar; e
livros, a cama desfeita por tantos dias,

uma carta sobre a tua almofada e tanto
desgosto, tanta solidão; e numa gaveta
dois bilhetes para um filme de amor que
não viste comigo, e mais livros, e também
uma camisa desbotada com que durmo
de noite para estar mais perto de ti; e, por

todo o lado, livros, tantos livros, tantas
palavras que nunca me disseste antes da
carta que escreveste nessa manhã, e eu,

eu que ainda acredito que vais voltar, que
voltas, mesmo que seja só pelos teus livros

Maria do Rosário Pedreira, in Poesia Reunida (Quetzal, 2012)

Arte por Malcolm T Liepke 

h1

Desencontro (2)

Abril 11, 2014
No avesso das palavras
na contrária face
da minha solidão
eu te amei
e acariciei
o teu impercetível crescer
como carne da lua
nos noturnos lábios entreabertosE amei-te sem saberes
amei-te sem o saber
amando de te procurar
amando de te inventar

No contorno do fogo
desenhei o teu rosto
e para te reconhecer
mudei de corpo
troquei de noites
juntei crepúsculo e alvorada

Para me acostumar
à tua intermitente ausência
ensinei às timbilas
a espera do silêncio

Mia Couto (Julho 1981), no livro “Raiz de Orvalho e outros poemas” 

Arte  por Arthur Braginsky

 

 

h1

Em cada sílaba te escrevo

Abril 6, 2014

Em cada sílaba te escrevo,
porque há ventos que amam
a praia e as nossas asas,
teimam em voltar galopantes
de onde nunca partiram.
Toco a areia e não me sinto só;
as rendas das ondas
enfeitam-me os cabelos,
prolongam as algas.
Sou água, areia, tu o búzio das marés.
Sabes, adivinhas,
escutas, silencias.
Por isso o nosso toque
não é breve nem sem gosto,
por isso há rios que
se abrem apenas
porque os momentos
se prolongam e entardecem os corpos.

Lília Tavares, in Parto com os Ventos

Arte por Anna Bocek

h1

Amarmos

Abril 1, 2014

Amarmos é oferecermos um ao outro
tudo o que de diferente os dois temos,
provarmos o sabor do que acontece entre nós,
bebermos da mesma fonte de amarguras,
festejarmos o tempo, sem tempo,
as alegrias e as loucuras,
revivermos o agora e o passado,
permanecermos sós,
e reféns de um longo caminho
cruzado e estreito,
e tão partilhado…

José Duarte, in Palavras Nossas – Vol. I 

[Colectânea de Novos Poetas Portugueses), Esfera do Caos, 2011]

Arte por Valérie Mouchel