h1

Insensatez

Junho 11, 2014

Adormecemos
na serenidade dos mares,
como peixes descuidados
anémonas de mão dada,
espelhados e quentes
e sonhamos enrolados nas algas.
Erguemos castelos de confiança na areia
com grãos de certezas,
de mudança…
Levantamo-nos devagar,
ausentes e pouco despertos,
tantas vezes perdidos,
sofridos,
por ventos varridos,
que nos sopram dúvidas,
nos cobrem de ondas de nudez,
nos fazem submergir
até ao fundo do abismo
dos receios e dos perigos,
onde crescem
as algas descoloridas
das incertezas …

José Gabriel Duarte e Lília Tavares (a publicar)

Arte por Carlos Valença

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: