Archive for Julho, 2014

h1

com ensejo e deleite

Julho 8, 2014

Mergulho,
afundo-me,
fundo-me
confundo-me
e sorvo
com ensejo
e deleite

a água
de coco
do leito
louco
do teu desejo

Miguel Afonso Andersen, O início da águas (2013)

Arte por Iwona Zawadzka

h1

Se existe uma chave

Julho 6, 2014

Se existe uma chave,
se existe uma chave que não derreta na boca,
se existe uma boca capaz de se abrir para outra boca,
então eu amo, eu beijo, eu deixo de esperar.

Então tu saltas e arrastas contigo toda a terra.
Convidas-me para o teu corpo
no gesto sem mágoa de um ombro que se expõe.
Tens anos de combustão solar,
e moves-te assim:
tocando simultaneamente o resgate e o perigo.

Ah forte como a loucura é o amor,
o amor como a electricidade dos campos.
O amor-pirâmide,
o amor-trevo-de-quatro-folhas,
o amor-moeda-achada-no-chão.
Não digas sorte, diz privilégio.
Não peças perdão, pede chuva.
Não recues, assombra-te.

Vasco Gato

Arte por Catrin Welz-Stein

h1

Das aves e das manhãs

Julho 4, 2014

Eu sou a solene maciez do linho
A perturbante lisura das espadas
Eu sou a prenda, a pressa do caminho
Eu sou o cada dia renaser do nada

Eu sou a estreiteza imperfeita das levadas
Uma manhã de luzes sobre o trilho
De pó, de pedra, de destino, brilho
Eu sou a intrepidez das aves mutiladas

Estranhamente eu sou e não sou, desdigo
Ser, não ser, não sei, persigo e desperto
Aqui, agora, só sei que estou contigo.

Carla Furtado Ribeiro, in Em Silêncio (Chiado Editora, 2013)

Arte de Hyatt Moore

 

h1

Foste tu

Julho 3, 2014

Não sei quem desenhou o Sol,
se foi a Lua,
se foste tu

Não sei quem o pintou,
se foi uma nuvem,
se foste tu

Mas o céu ficou mais azul
O dia ficou mais dia
Nele eu conheci poesia
E foste tu…

José Gabriel Duarte, in As Cores do Desejo (a publicar)

Arte por Alice Vegrova