Archive for the ‘Encandescente’ Category

h1

Sonho

Julho 17, 2012

Não sei se as tuas mãos me tocaram

Tão leves as tuas mãos que nenhuma marca ficou

Tão leves que certamente só me sonharam

Ou as sonhei porque as queria na minha pele

Árida de carícias

Ávida das tuas mãos.

Não sei se foste tu que escreveste com saliva poemas no meu corpo

Poemas rios que me molharam e segredaram

Palavras por ti nunca antes ditas

Não sei se senti rios e pensei poemas

Deserta que estava de palavras e saliva.

Não sei se no meu corpo o teu mora

Tão ténue teu corpo

Tão breve sonhar.

Encandescente

Arte por Lauri Blank

h1

Guarda-me

Julho 7, 2012

Deixo sempre uma parte de mim contigo

E a ti volto para a reencontrar

Mas, quando me queres devolver

A parte de mim que contigo fica

Fecho a mão

Não a aceito

Digo:

– Guarda-me mais um pouco

Para ter um motivo para voltar.

Encandescente

Imagem: Georgy Kurasov

h1

Que esperas quando me esperas?

Fevereiro 9, 2010

Que esperas quando me esperas?

Espero a parte de mim que contigo ficou

A parte de mim que é chama

A parte de mim que ama

A parte de mim que sou eu.

E nos dias caminho dividido

Esperando encontrar-me e juntar-me

Esperando ser um não metade

Esperando-te

Espero por mim.

Encandescente

Imagem: Marc Chagall

h1

Transparência

Dezembro 22, 2009

Na tua boca sem dizer uma palavra

Soletrei em todas as línguas a palavra amor

Sobre a tua pele desenhei, sem saber desenhar

Todos os contornos que tem o prazer

E por ser silêncio a palavra foi mais pura

E por ser transparente o gesto ficou gravado

Encandescente

Imagem: Manuel  Dominguez Guerra

h1

Tudo

Dezembro 20, 2009

Como quem se perde no deserto

Eu perdi-me em ti.

Como quem está preso

Eu estou presa a ti.

És dualidade.

Deserto

Onde me perco

Oásis

Onde me encontro.

Prisão

Que me encerra

Liberdade

Presa em ti.

Encandescente

Imagem: Akzhana Abdalieva


h1

Que a noite venha e me cubra

Dezembro 19, 2009

Que a noite venha e me cubra

E que a noite seja paz

E que a paz sejas tu

E a noite o teu corpo

E o teu sono o meu sono

A tua mão na minha mão.

Que a noite

Teu corpo sólido que procuro

E onde me escondo

Seja a noite dos amantes

Corpos que repousam

E encontram um no outro

Um novo amanhecer

Encandescente

Arte de Leonardo Vecchiarino

h1

Calam-se as palavras

Novembro 20, 2009

Calam-se as palavras

Quando num beijo,

A minha boca, a tua encontra.

Esquecem-se as palavras

Quando num abraço,

O meu corpo, tornas o teu.

Como é simples o silêncio

Dos gestos que trocamos.

Encandescente

Imagem: Nicoletta Tomas Caravia