Archive for the ‘Joaquim Pessoa’ Category

h1

Estou mais perto de ti porque te amo

Dezembro 31, 2011

Estou mais perto de ti porque te amo.
Os meus beijos nascem já na tua boca.
Não poderei escrever teu nome com palavras.
Tu estás em toda a parte e enlouqueces-me.

Canto os teus olhos mas não sei do teu rosto.
Quero a tua boca aberta em minha boca.
E amo-te como se nunca te tivesse amado
porque tu estás em mim mas ausente de mim.

Nesta noite sei apenas dos teus gestos
e procuro o teu corpo para além dos meus dedos.
Trago as mãos distantes do teu peito.

Sim, tu estás em toda a parte. Em toda a parte.
Tão por dentro de mim. Tão ausente de mim.
E eu estou perto de ti porque te amo.

Joaquim Pessoa

Imagem: Vishalmisra

Anúncios
h1

Eu quero apenas amar-te lentamente

Julho 20, 2011

Eu quero apenas amar-te lentamente

Como se todo o tempo fosse nosso
Como se todo o tempo fosse pouco
Como se nem sequer houvesse tempo.

Joaquim Pessoa

Imagem: Jiri Borsky

h1

Bastava-nos amar

Janeiro 8, 2009

Bastava-nos amar. E não bastava

o mar. E o corpo? O corpo que se enleia?

O vento como um barco: a navegar.

Pelo mar. Por um rio ou uma veia.

Bastava-nos ficar. E não bastava

o mar a querer doer em cada ideia.

Já não bastava olhar. Urgente: amar.

E ficar. E fazermos uma teia.

Respirar. Respirar. Até que o mar

pudesse ser amor em maré cheia.

E bastava. Bastava respirar

a tua pele molhada de sereia.

Bastava, sim, encher o peito de ar.

Fazer amor contigo sobre a areia.

Joaquim Pessoa

Arte de A. Sigov

h1

Perfil de primavera

Dezembro 17, 2008

Perfil de primavera

Nas mãos que eu ergo acima desta ausência.

O meu sangue desperta, cria raízes no teu sangue

Nos jardins desertos da nossa solidão.

As minhas mãos, as tuas mãos, os corpos abraçados

E a única cidade construída para o nosso amor:

Nua, inquieta.

Clandestina.

A tua boca no meu peito. Os beijos

Demorados. E todos os silêncios.

As ruas que eu abri no teu olhar

Começam nos meus dedos.

Vem,

Eu amo-te.

Joaquim Pessoa

Arte de Csaba Markus

h1

Cada vez

Dezembro 16, 2008

Cada vez nos temos mais apenas

um ao outro.

Joaquim Pessoa

Arte de Willem Haenraets

h1

De esperas construímos o amor…

Outubro 25, 2008

De esperas construímos o amor intenso e súbito

que encheu as tuas mãos de sol e a tua boca de beijos.

Em estranhos desencontros nos amamos.

Havia o rio mas sempre ficávamos na margem.

Eu tocava o teu peito e os teus olhos e, nas minhas mãos,

a tarde projectava as suas grandes sombras

enquanto as gaivotas disputavam sobre a água

talvez um peixe inquieto, algo que nunca pudemos ver.

As nossas bocas procuravam-se sempre, ávidas e macias

E por muito tempo permaneciam assim, unidas,

machucando-se, torturando as nossas línguas quase enlouquecidas.

Depois olhávamo-nos nos olhos.

No mais profundo silêncio.

E, sem palavras,partíamos com as mãos docemente amarradas

e os corações estoirando uma alegria breve

Quando a noite descia apaixonada

Como o longo beijo da nossas despedida.

Joaquim Pessoa

Arte de WojciechFus

h1

Se ao menos soubesses…

Outubro 21, 2008

Se ao menos soubesses tudo o que eu não disse

ou se ao menos me desses as mãos como quem beija

e não partisses, assim, empurrando o vento

com o coração aflito, sufocado de segredos;

se ao menos percebesses que eram nossos

todos os bancos de todos os jardins;

se ao menos guardasses nos teus gestos essa bandeira de lirismo

que ambos empunhámos na cidade clandestina

Quando as manhãs cheiravam a óleo e a flores

e o inverno espreitava ainda nas esquinas como uma criança tremendo;

se ao menos tivesses levado as minhas mãos para tocar os teus dedos

para guardar o teu corpo;

se ao menos tivesses quebrado o riso frio dos espelhos

onde o teu rosto se esconde no meu rosto

e a minha boca lembra a tua despedida,

talvez que, hoje, meu amor, eu pudesse esquecer

essa cor perdida nos teus olhos.

Joaquim Pessoa

Imagem: Gholam Yunessi