Archive for the ‘Manuel António Pina’ Category

h1

O lado de fora

Agosto 22, 2013
Eu não procuro nada em ti,
nem a mim próprio, é algo em ti
que procura algo em ti
no labirinto dos meus pensamentos.Eu estou entre ti e ti,
a minha vida, os meus sentidos
(principalmente os meus sentidos)
toldam de sombras o teu rosto.O meu rosto não reflete a tua imagem,
o meu silêncio não te deixa falar,
o meu corpo não deixa que se juntem
as partes dispersas de ti em mim.

Eu sou talvez
aquele que procuras,
e as minhas dúvidas a tua voz
chamando do fundo do meu coração.

Manuel António Pina, in Poesia, Saudade da Prosa – uma antologia pessoal
Imagem: Carrie Vielle
Anúncios
h1

Se procuro o teu rosto

Julho 27, 2013

Se procuro o teu rosto
no meio do ruído das vozes
quem procura o teu rosto?

Quem fala obscuramente
em qualquer sítio das minhas palavras
ouvindo-se a si próprio?

Às vezes suspeito que me segues,
que não são meus os passos
atrás de mim.

O que está fora de ti, falando-te?
Este é o teu caminho,
e as minhas palavras os teus passos?

Quem me olha desse lado
e deste lado de mim?
As minhas dúvidas, até elas te pertencem?

Manuel António Pina

Imagem:  Ingrid Tusell

h1

Tanto silêncio

Março 7, 2010

Para cá de mim e para lá de mim, antes e depois.

E entre mim eu, isto é, palavras,

formas indecisas

procurando um eixo que

lhes dê peso, um sentido capaz de conter

a sua inocência

uma voz (uma palavra) a que se prender

antes de se despedaçarem

contra tanto silêncio.

São elas, as tuas palavras, quem diz «eu»;

se tiveres ouvidos suficientemente privados

podes escutar o seu coração

pulsando sob a palavra da tua existência,

entre o para cá de ti e o para lá de ti.

Tu és aquilo que as tuas palavras ouvem,

ouves o teu coração (as tuas palavras «o teu coração»)?

Manuel António Pina

Imagem: Leslie Marcus

h1

Agora é diferente

Julho 12, 2009

Agora é diferente
Tenho o teu nome o teu cheiro
A minha roupa de repente
ficou com o teu cheiro

Agora estamos misturados
No meio de nós já não cabe o amor
Já não arranjamos
lugar para o amor

Já não arranjamos vagar
para o amor agora
isto vai devagar
isto agora demora

Manuel António Pina

Imagem: Finela Moore