Archive for the ‘Carlos Campos’ Category

h1

Ando

Junho 2, 2014

Ando neste desmando
Mas sei para onde vou, e sei
Onde estou
– lugares são sentires –
Tenho esta alma andante
Errante

Luas são as meninas nos olhos
Tuas

Carlos Campos (a publicar)

Arte por Rebecca Lopatin 

Anúncios
h1

Podia

Julho 25, 2013

Podia dizer-te que não me importo
Podia fingir que fugi
Ou que estou morto.
Podia adiar para outro dia
Invocar uma qualquer lei
Dizer-te que não sei
Ou fiquei sem bateria.

Com a verdade mais pura
A única verdade
A única que dura
Faria a minha despedida
A promessa de mil abraços
E uma palavra sofrida

Podia dizer-te que volto
E seria breve
Como um poeta escreve
Livre e solto.

(E tu, minha vida, acreditas
Nas palavras que não digo?
Será o silêncio castigo?
Será em silêncio que gritas?)

Podia dizer-te que são pequenas
As saudades do teu sorrir
Mas seriam palavras apenas
E seria mentir.

Carlos Campos, 

in RIO DE DOZE ÁGUAS, 12 POETAS, (Coisas de Ler, Ed., 2012)

Imagem: Ira Tsantekidou

h1

Insónia

Julho 24, 2013

E esta insónia chamada saudade…
Não sei se me encontrarás, se estarei acordado
Ou finalmente dormirei
Talvez, não sei,
Descansado

É a insónia da verdade
(afinal todas as insónias o são)
É um amor que anda perdido
Talvez escondido
Em algum lado

Carlos Campos (a publicar)

Imagem: Peter Harskamp

h1

Duas vogais

Julho 1, 2013

Apetecia-me um abraço brando

Uma carícia lenta

Um beijo longo.

Apetecia-me mais

Tu e eu duas vogais

Deitados num ditongo…

Carlos Campos

Arte digital:  Ditongo,  Carlos Campos

h1

Livro aberto

Junho 17, 2013

Quero que tenhas muitas páginas
E versos difíceis de entender
Quero que me digas onde vais
E que nada fique por dizer…

Sei que não há lugares eternos.
Esta cadeira tem horas,
Há ficar e partir…
Há um entardecer
Para os vagares e demoras.
Até pode chover…

Abre e diz-me a teu jeito
Essa página, e outra, e outra,
Mas não, não me toques ainda.

Assim aberto
Fica
Perto
Mas não me toques ainda.

Deixa-me ler até ao fim.
Com os olhos, com o peito
Antes que o vento
Vire a página da decisão.

Quero ser eu
A tocar essas páginas
Que vou ler e anotar.
Mas por agora, quero ler-te
Só ler-te.
Quero amar-te devagar.

Carlos Campos

Imagem: Olga Gouskova