Archive for the ‘Albano Martins’ Category

h1

Assimilar-te

Novembro 14, 2014

Assimilar-te: ser
perfume na tua pele.

Albano Martins

Arte de Martin Blender

Anúncios
h1

Frutos

Abril 28, 2014

Quando a amada oferece
o seu corpo, ela sabe
que dos frutos apenas
se colhe o sabor.
É então
que os dedos
separam as películas,
que a lâmina desce e a água
e o fogo se misturam.
E é então que a vida
e a morte convivem
sob o mesmo tecto.

Albano Martins, in Escrito a vermelho

Arte por Max Gasparini 

h1

Ainda te falta dizer isto

Março 18, 2014

Ainda te falta
dizer isto: que nem tudo
o que veio
chegou por acaso. Que há
flores que de ti
dependem, que foste
tu que deixaste
algumas lâmpadas
acesas. Que há
na brancura
do papel alguns
sinais de tinta
indecifráveis. E
que esse
é apenas
um dos capítulos do livro
em que tudo
se lê e nada
está escrito.

Albano Martins

Arte por Carrie Vielle

h1

Ainda te falta dizer isto

Janeiro 9, 2014

Ainda te falta
dizer isto: que nem tudo
o que veio
chegou por acaso. Que há
flores que de ti
dependem, que foste
tu que deixaste
algumas lâmpadas
acesas. Que há
na brancura
do papel alguns
sinais de tinta
indecifráveis. E
que esse
é apenas
um dos capítulos do livro
em que tudo
se lê e nada
está escrito.

Albano Martins

Arte por Viktor Sheleg

h1

Deixa que os meus olhos se fechem

Setembro 2, 2013

Deixa que os meus olhos se fechem
E confiem um minuto nos teus…
Olha por mim, protege o meu sonho
Vigia o meu descanso e afasta-me de todas as mágoas
Com os teus beijos apaga as lágrimas que correm pelo
meu rosto
Envolve-me nos teus braços e, cuida de mim
Preciso do teu apoio, do teu abraço, do teu sentido
Deixa-me descansar e,
Adormecer no teu peito
Deixa que os meus olhos durmam
nos teus…
Deixa-me sonhar
Deixa que sonhe com a tua boca
Com as tuas mãos, com os teu beijos,
Com teu corpo na minha pele
Com o teu calor a queimar-me por dentro
Com tudo o que quero de ti
Deixa que os meus olhos despertem
com o sol a romper nos teus olhos…

Albano Martins

Imagem: Maria Szollosi

h1

Um dia virei

Fevereiro 15, 2010

Um dia virei
colado a um verso, embrulhado
numa folha, dobrado
a um canto,

para que os teus lábios
me ciciem, os teus olhos
me beijem

e eu não saiba

e eu não sinta.

Albano Martins

Imagem: Antonia Ferrer Campos

h1

Tu choravas

Dezembro 18, 2008

Tu choravas e eu ia apagando

com os meus beijos os rastos das tuas lágrimas

– riscos na areia mole e quente do teu rosto.

Choravas como quem se procura.

E eu descobria mundos, inventava nomes,

enquanto ia espremendo com as mãos

o meu sangue todo no teu sangue.

Não sei se o mundo existia e nós

existiamos realmente.

Sei que tudo estava suspenso,

esperando não sei que grave acontecimento,

e que milhares de insectos paravam e

zumbiam nos meus sentidos.

Só a minha boca era uma abelha inquieta

percorrendo e picando o teu corpo de beijos.

Depois só dei pela manhã,

a manhã atrevida,

entrando devagar, muito devagar e

acordando-me.

Desviei os meus olhos para ti:

ao longo do teu corpo morriam as estrelas.

A noite partira. E, lentamente,

o sol rompeu no céu da tua boca.

Albano Martins

Arte de Erhard Loblein