Archive for Junho, 2014

h1

Serenando

Junho 30, 2014

na dormência do encanto

o feitiço do sonho

que perdura em meu canto

e assim

sozinha no meu leito

se abraça em mim

no calor

a solidão do teu meu seio, doce peito!

Ana Fonseca, in No Leito do Meu Pensamento (Universus, 2011)

Arte de Amadeo Modigliani

Anúncios
h1

Capricho

Junho 26, 2014

Escolher a morada dos pássaros
sobre o oceano,
essa clara morada, vento de esperança,
sem norte e sem sul,
apenas azul,
liberdade e fluir e calor
da luz irradiante.
Escolher o ninho dos teus braços,
a tua boca, enseada da minha,
os teus olhos, sombrio delírio dos meus,
errante,
escolher-te e não o saber,
como a árvore desconhe o destino
que faz dela uma promessa do céu.

Joana Lapa, in Lettera Amorosa (Afrontamento, 2013)

Arte por Pier Toffoletti 

h1

Parte comigo

Junho 24, 2014

Parte comigo,
Para uma praça vazia
Que acorda antes da cidade,
Onde as estrelas
Se entrelaçam nos nossos dedos.
Parte comigo,
Sentir o sol beijar-nos a pele,
Sentir que o nosso tempo
Existe para além do tempo todo
Onde nos perdemos continuamente.
Parte comigo,
Onde não posso encontrar mais
Que o teu rosto, que o teu sorriso,
Que o teu nome murmurado letra a letra,
Pétala a pétala.
Parte comigo,
Onde a noite adormece nos teus braços,
Onde nos misturamos como brisas e beijos,
Na praia onde as ondas nos imitam.
Parte comigo,
Até onde nos leve o último raio de sol do dia

Paulo Eduardo Campos, in Na Serenidade dos rios que enlouquecem

(Amores Perfeitos, 2005)

Arte por Stefan Kuhn

h1

Memória excessivamente vísivel

Junho 23, 2014

Sobre as frias cinzas de uma incandescente memória

vejo-te
nas pontas dos dedos sobre os olhos cerrados

vejo-te
no apogeu da ideia sobre a sombra da lua

vejo-te
no ocaso posto sobre o dia cansado

sinto-te
sem nadar nas águas do teu porto tão próximo

sinto-te
sem sofrer na carne as esquinas dos teus ossos

Ansiando pelo peso da pele que perdes ao passar por minhas mãos
afaga-me levemente tua transitória visibilidade
e para da memória se apagarem tão incandescentes cinzas
afoga-me o fogo no vislumbre do teu corpo fugidio

José Bernardes, in Mãos Inquietas (Edita-Me, 2012)

Arte por Gun Legler

h1

Realidade

Junho 16, 2014

Por causa de um livro
vieste ao meu encontro.
Era Verão, não sabias de nada
nem isso interessava. Palavras
amavam-se fora de ti,
no atropelo das emoções.
Lá chegaria a primeira vez,
o encontro apressado num lugar
público. Desfeito o erro
ao toque da pele, não sei
se havia medo, a paixão queria-me
no lugar exacto do teu coração.
Palavras enrolam-se na sombra
da vida a dor do sentimento.

Atingido o espírito, o tempo
da infância, a realidade. Em ti
a solidão que o prazer
não mata. Quero a beleza
dos versos revelada.
Alguns anos passaram sobre
a nossa história que não acabou.
A tarde envelhece e escrevo isto
sem saber porquê.

Isabel de Sá, in Poemas de Amor- Antologia de Poesia Portuguesa

Arte por Alex Alemany

h1

Insensatez

Junho 11, 2014

Adormecemos
na serenidade dos mares,
como peixes descuidados
anémonas de mão dada,
espelhados e quentes
e sonhamos enrolados nas algas.
Erguemos castelos de confiança na areia
com grãos de certezas,
de mudança…
Levantamo-nos devagar,
ausentes e pouco despertos,
tantas vezes perdidos,
sofridos,
por ventos varridos,
que nos sopram dúvidas,
nos cobrem de ondas de nudez,
nos fazem submergir
até ao fundo do abismo
dos receios e dos perigos,
onde crescem
as algas descoloridas
das incertezas …

José Gabriel Duarte e Lília Tavares (a publicar)

Arte por Carlos Valença

h1

Ando

Junho 2, 2014

Ando neste desmando
Mas sei para onde vou, e sei
Onde estou
– lugares são sentires –
Tenho esta alma andante
Errante

Luas são as meninas nos olhos
Tuas

Carlos Campos (a publicar)

Arte por Rebecca Lopatin