Archive for the ‘Torquato da Luz’ Category

h1

Por amor

Março 12, 2014

Só ficará de ti o que fizeste
por amor.
O resto não valeu:
foi apenas poeira que se ergueu
em teu redor
e o vento varreu.

Só ficará de ti o que escreveste
com paixão.
O resto não contou:
foi tão-só uma sombra que passou,
pura ilusão,
e nem rasto deixou.

Torquato da Luz

Arte de David Agenjo

Anúncios
h1

Quantas vezes te esperei neste lugar

Fevereiro 15, 2014

Quantas vezes te esperei neste lugar
quantas vezes pensei que não chegavas
quantas vezes senti a rebentar
o coração se ao longe te avistava.

Quantas vezes depois de teres chegado
nos colámos no beijo que tardava
quantas vezes trementes e calados
nos entregámos logo sem palavras.

Quantas vezes te quis e te inventei
quantas vezes morri e já não sei.

Torquato da Luz

Arte por Helga McLeod

h1

Palavras

Agosto 28, 2013

Palavras que se dizem ao ouvido
quando nos queima a febre do desejo
e só ganham sentido
se saírem dos lábios como um beijo.
Palavras murmuradas no calor
da mútua entrega
a deixar claro que o amor
nunca sossega.
Palavras revestidas de veludo
para afagar a vida
e que no meio da corrida
são elas próprias quase tudo.

Torquato da Luz

Arte de Suren Voskanyan

 

h1

O amor é sempre breve

Fevereiro 6, 2013

O amor é sempre breve, mas desenha
na nossa vida um rasto que perdura
para além do novelo da ternura:
o rasto que transporta o santo-e-senha
para as portas fechadas que o destino
depara a cada um desde menino.

Sobre ser breve, o amor é sempre frágil
e raro escuta o ritmo das marés
que nos faz oscilar o dia-a-dia.
Mas é ver como às vezes fica ágil
e corre e salta e foge a sete pés
do que nos tolhe o rosto da alegria.

Torquato da Luz

Imagem: Stephanie Clair

h1

Amor e ódio

Novembro 3, 2011

Umas vezes floresta, outras deserto,
umas vezes cetim, outras cotim,
umas vezes veludo, outras estopa.

Umas vezes de longe, outras de perto,
umas vezes princípio, outras fim,
umas vezes piranha, outras garoupa.

Umas vezes de noite, outras de dia,
umas vezes silêncio, outras ruído,
umas vezes o amor que me alumia,
outras vezes um ódio sem sentido.

Torquato da Luz

Imagem: Kristin Dudish

h1

Abandono

Abril 26, 2010

Não digas nada, deixa apenas

as mãos entregues ao calor das minhas

e olha-me nos olhos como quando

nos fitávamos, pássaros surpresos

do próprio voo, adolescente e luminoso.

Ambos sabemos desde há muito: a vida

é uma longa paciência e não há forma

de viver ao abandono dos que amamos.

Sobrevivamos, pois, no fio dos dias

que nos restam ainda, se é que o tempo

nos favorece como dantes.

E mantenhamos as mãos coladas,

olhares fitos um no outro, meu amor.

Torquato da Luz

Imagem: Jenna Morrison

h1

Trono

Fevereiro 20, 2010

Pus-te num trono, que é o lugar onde
deve estar quem se ama, esse lugar
da alma que, sendo íntimo, não esconde
a aparência de altar
de uma igreja singular.

Mas, como a crença é sempre vacilante
e não se pode ter por adquirida,
hás-de saber que nada nos garante
que eu fique a venerar-te toda a vida.

Torquato da Luz

Arte de Andrei Protsouk