Archive for Novembro, 2014

h1

O que temos

Novembro 30, 2014

Deixei contigo o meu amor,
música de açúcar a meio da tarde,
um botão de vestido por apertar,
e o da vida por desapertar,
a flor que secou nas páginas de um livro,
tantas palavras por dizer
e a pressa de chegar,
com o azul do céu à saída.
por entre cafés fechados e um por abrir.

Mas trouxe comigo o teu amor,
os murmúrios que o dizem quando os lembro,
a surpresa de um brilho no olhar,
brinco perdido em secreto campo,
o remorso de partir ao chegar,
e tudo descobrir de cada vez,
mesmo que seja igual ao que vês
neste caminho por encontrar
em que só tu me consegues guiar.

Por isso tenho tudo o que preciso
mesmo que nada nos seja dado;
e basta-me lembrar o teu sorriso
para te sentir ao meu lado.

Nuno Júdice, in O Estado dos Campos (Dom Quixote, 2003)

Arte de Siddharth Shingade

Anúncios
h1

Aprendamos, amor, com estes montes

Novembro 25, 2014

Aprendamos, amor, com estes montes
Que, tão longe do mar, sabem o jeito 
De banhar no azul dos horizontes.

Façamos o que é certo e de direito:
Dos desejos ocultos outras fontes
E desçamos ao mar do nosso leito.

José  Saramago, in Os Poemas Possíveis (Portugália Ed., 1966)

Arte de Christian Schloe

h1

O teu rosto

Novembro 22, 2014

O teu rosto
é como a noite
que envolve
o cair do dia…
fecha todos os jardins
e abre a minha fantasia.

Vasco de Lima Couto

Arte de Santiago Carbonell

h1

Soletro no teu corpo

Novembro 21, 2014

Soletro no teu corpo
o abecedário
do prazer

pelo toque
no tacto dos dedos

num Braille imaginário,
picotado
no sabor e no saber
das palavras
e dos seus segredos.

Miguel Afonso Andersen in Da volúpia, os sinais

Arte de Philippe Loubat

h1

Amar por amar não posso

Novembro 17, 2014

Amar por amar não posso.
Amar por amar não sei.
Amar por amar não posso.
Amo aquilo só que é nosso
Amando à margem da lei.

Amar por amar não posso
Amar por amar não sei.

Ninguém me faça perguntas!
Trago o coração já frio…
Ninguém me faça perguntas,
Que as minhas lágrimas juntas
Davam para encher um rio!

As minhas lágrimas juntas
Davam para encher um rio!

Pedro Homem de Mello

Arte de Wilfredo Alicdan

h1

Flor

Novembro 16, 2014

Era uma flor
De uma só cor
Era apenas uma rosa
Era uma só palavra
Que fora guardada
E enviada
Como se fosse em prosa
Mas era poema
Era verso de Amor.

José  Gabriel Duarte, in As Cores do Desejo, Versbrava Editora, 2014

Arte de Silvia Blanco

h1

Assimilar-te

Novembro 14, 2014

Assimilar-te: ser
perfume na tua pele.

Albano Martins

Arte de Martin Blender