Archive for the ‘Sophia de Mello Breyner Andresen’ Category

h1

Eis-me

Junho 1, 2014

Eis-me
Tendo-me despido de todos os meus mantos
Tendo-me separado de adivinhos mágicos e deuses
Para ficar sozinha ante o silêncio
Ante o silêncio e o esplendor da tua face

Mas tu és de todos os ausentes o ausente
Nem o teu ombro me apoia nem a tua mão me toca
O meu coração desce as escadas do tempo em que não moras
E o teu encontro
São planícies e planícies de silêncio

Escura é a noite
Escura e transparente
Mas o teu rosto está para além do tempo opaco
E eu não habito os jardins do teu silêncio
Porque tu és de todos os ausentes o ausente

Sophia de Mello Breyner Andresen,

in LIVRO SEXTO (Moraes Ed, 1962) e OBRA POÉTICA (Caminho, 2010)

Arte por Albena Vatcheva

Anúncios
h1

Há mulheres que trazem o mar nos olhos

Julho 24, 2013

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os Homens…
Há mulheres que são maré em noites de tardes…
e calma

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: Paul Milner

h1

Que nenhuma estrela queime o teu perfil

Julho 8, 2013

Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: Laurie Kaplowitz

h1

Os dias de verão

Janeiro 18, 2011

Os dias de verão vastos como um reino
Cintilantes de areia e maré lisa
Os quartos apuram seu fresco de penumbra
Irmão do lírio e da concha é nosso corpo

Tempo é de repouso e festa
O instante é completo como um fruto
Irmão do universo é nosso corpo

O destino torna-se próximo e legível
Enquanto no terraço fitamos o alto enigma familiar dos astros
Que em sua imóvel mobilidade nos conduzem

Como se em tudo aflorasse eternidade

Justa é a forma do nosso corpo

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: Umberto Boccioni

h1

Sacode as nuvens

Junho 5, 2010

Sacode as nuvens que te poisam nos cabelos,

Sacode as aves que te levam o olhar.

Sacode os sonhos mais pesados do que as pedras.

Porque eu cheguei e é tempo de me veres,

Mesmo que os meus gestos te trespassem

De solidão e tu caias em poeira,

Mesmo que a minha voz queime o ar que respiras

E os teus olhos nunca mais possam olhar.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: Maki Horanai

Dedicado ao Zé que me deixou para sempre no passado dia 3.

Sem dor, repousa em Paz.

h1

Nome

Dezembro 7, 2009

Em nome da tua ausência

Construí com loucura uma grande casa branca

E ao longo das paredes te chorei

Sophia de Mello Breyner Andresen

Imagem: Jean -Claude Forez

h1

Inscrição

Novembro 17, 2009

Quando eu morrer voltarei para buscar

os instantes que não vivi junto ao mar

Sophia de Mello Breyner Andresen

Arte por Connie Chadwell

Homenagem à tia Natália que hoje nos deixou.

Muitas saudades.